6.12.15

Transição Capilar, como sobreviver? (parte I)

Olá, meninas!

Voltei! E dessa vez vamos falar de uma assunto que está tomando conta da cabeça da mulherada, literalmente: transição capilar. A transição capilar se dar a partir do momento que você decide não fazer mais uso de procedimentos como: alisar, relaxar, permanente afro e outros em seu cabelo, mais especificamente, mudar a estrutura do seu cabelo.

E porque estou falando disso? Todo mundo fala! Tem milhões de vídeos no YT sobre isso! - Calma, calma! Eu sei de tudo isso. E sei também como é difícil passar por esse período. Estou passando por isso pela segunda vez. E é esse o motivo de vir aqui conversar sobre o assunto. Minha intenção aqui não é repeti o que todo mundo sabe, e sim contar um pouco da minha experiência, para que outras meninas, que estão na transição, não caiam na armadilha que caí.

Decidir usar o cabelo natural é uma escolha pessoal, você só faz se tiver vontade, se realmente estiver afim. Não adianta fazer por que fulana fez e o cabelo está lindo. Até porque, cada pessoa tem uma textura de cabelo diferente da outra. Não pense que seu cabelo vai ficar igual ao de fulana, porque talvez, não fique. E, não estou tentando desanimar ninguém, mas sinceramente, uma coisa que deveria ser tão simples, está se tornando tão polêmico, que se você não tiver fibra pra ir até o fim, desiste no primeiro "conselho" desanimador que ouvir.

Esta semana, uma colega chegou pra mim e disse: "Suzane, arruma esse cabelo. Você é tão linda." Eu perguntei o que era "arrumar o cabelo", ela me respondeu: "Dar uma progressiva, ia ficar tão bonito!"
Já imaginou ouvir isso todos os dias? Em casa, na escola, no trabalho, na rua! Você tem estrutura física e emocional pra suportar? Se você não tiver, mas quiser muito ver como seu cabelo se comporta ao natural; respire fundo, acredite em você e peça coragem e forças pra Deus. Só assim pra aguentar.
Pode ser que alguém leia este texto e diga, "quanta tempestade num copo d'água!". Gente, o assunto é muito sério. A partir do momento que você decide assumir seu crespo, seu natural, o preconceito fica muito mais evidente, em algumas situações, claro. - não vamos generalizar, né(?) Mas o que importa mesmo, é como você se sente; a opinião dos outros, manda pra put...

Então meninas, não desistam!
Eu passei 5 anos na minha primeira transição e acabei caindo na lábia de uma certa "profissional" que se dizia especialista em cabelos afro. A mulher olhou meu cabelo, apalpou, colocou pra um lado, pra outro e, no fim, disse: Seu cabelo é do tipo carapinha, não dá pra usar natural. Esse cabelo nunca vai ceder, nunca vai definir. A secura é dele mesmo, pra dar um jeito aí, só relaxando a raiz. Eu olhei pra mulher e só faltei chorar, fiquei pensando, passei cinco anos sendo olhada torto, ouvindo um monte de "conselhos" a respeito do  meu cabelo, pra nada? Perguntei pra ela se não tinha outro jeito de tratar, ela respondeu: Tenho vinte anos de experiência, o único jeito é um relaxamento, "bem fraquinho" na raiz. É só pra fazer ele ceder e ter definição. Vai parecer natural, só que bem cuidado. Acreditei. E foi uma das piores decisões da minha vida! O relaxamento quase me deixou careca novamente. Meu cabelo caía de tufos. Foi quando decidi: JÁ PASSEI POR ISSO UMA VEZ, VOU TENTAR DE NOVO, mas dessa vez, estou cuidando do meu cabelo do jeito certo. Diferente de como fiz na primeira vez. Pois, na época, não tinha essa overdose de crespas e cacheadas na internet, pra facilitar a vida.

E meu conselho é: Não dê ouvidos aos comentários e sugestões negativas. Seja forte, acredite em você; Pesquise, seja curiosa. E acima de tudo, NÃO DESISTA!

Beijinhos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário